Presidentes da Eletrobras e de Furnas se comprometem com reivindicações dos prefeitos da região

Presidentes da Eletrobras e de Furnas se comprometem com reivindicações dos prefeitos da região

Reabertura do escritório de Furnas em Belo Horizonte, substituição das balsas, desassoreamento do canal de Piumhi; revitalização das nascentes e compensação financeira para os trabalhadores da região. Essas e outras ações foram anunciadas pelos presidentes da Eletrobras, Rodrigo Limp, e de Furnas, Clóvis Torres, na reunião extraordinária promovida pela Associação dos Municípios do Lago de Furnas (Alago), Associação dos Municípios do Médio Rio Grande (Ameg) e Associação dos Municípios da Microrregião da Baixa Mogiana (Amog), nesta sexta-feira (17/09), em Alfenas.

A reunião, que foi articulada pelo diretor da Presidência do Senado, Alexandre Silveira, contou com a presença de 52 prefeitos da região do Lago de Furnas; deputados federais e estaduais; o presidente da Assembleia Legislativa (ALMG), Agostinho Patrus; o presidente da Frente Mineira de Prefeitos (FMP), Alexandre Kalil; e várias lideranças da região. Os prefeitos cobraram dos presidentes da Eletrobras e de Furnas medidas para compensar os prejuízos históricos que vêm impactando dezenas de municípios do entorno da represa.
E foi do Alexandre Silveira que veio o anúncio de mais um importante compromisso que vai ao encontro de uma importante demanda da região. Segundo ele, quem deve fazer a gestão das águas de Furnas é a Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA). “Conversei com o diretor da ANA ontem à noite sobre esse assunto. Há uma compreensão no Senado, do presidente Rodrigo Pacheco, de que gerar energia é importante. Mas queremos uma contrapartida imediata da Eletrobras e de Furnas. E o que queremos é que a ANA seja firme e regulamente a cota mínima de 762 metros. Não vamos aceitar a morte do Mar de Minas”, afirmou.

Para Alexandre, a situação do lago, que está hoje com apenas 554 metros, não é culpa de São Pedro, mas falta de liderança, gestão e pulso firme. “Mas agora temos a união dos mineiros em defesa de Furnas. E vamos fazer um verdadeiro grito de Minas para defender o nosso mar”, assinalou.

O presidente da FMP afirmou que não é hora de os prefeitos pedirem ajuda para as empresas, é hora de cobrarem justiça. “Esse encontro não é um evento, é uma reunião de trabalho que terá continuidade na segunda que vem, quando vou me reunir com a ministra do STF, Carmem Lúcia, exclusivamente para discutir a ação de inconstitucionalidade e defender os interesses de Minas”, disse Kalil.

A ministra é relatora da ação de inconstitucionalidade do governo federal contra a Emenda 106 à Constituição Mineira. A emenda, de dezembro de 2020, tombou, para fins de conservação, os lagos de Furnas e Peixoto, estabelecendo a cota mínima de 762 metros o nível mínimo de água da represa (no caso de Furnas). O Governo federal, entretanto, em junho último, entrou com ação no STF questionando a constitucionalidade da Emenda 106. O argumento é que a emenda mineira fere a competência da União para legislar sobre águas e energia.

O presidente da ALMG afirmou que o Legislativo mineiro segue de portas abertas para discutir alternativas a fim de salvar o Mar de Minas. “É hora de cumprirmos a legislação aprovada na Assembleia. Se a Emenda 106 é questionada é porque ela está valendo. Se ela está valendo, deve ser cumprida. Queremos o aval do STF e vamos trabalhar por isso”, garantiu Agostinho Patrus.

Presidente de Furnas pede desculpas aos prefeitos

“Gostaria de pedir desculpas pela falta de atenção e de empatia e agradecer pela oportunidade de estar aqui e passar o passado a limpo para construirmos um novo futuro. Vamos tomar medidas imediatas para amainar um pouco o sofrimento que a seca tem causado e que não demos a devida atenção”, disse Clóvis Torres. O discurso do presidente de Furnas foi endossado pelo presidente da Eletrobras, Rodrigo Limp: “queremos reaproximar a companhia da comunidade mineira e ouvir as reivindicações, que sabemos serem justas, nos ajuda a construir nosso plano de trabalho”.

Em resposta às reivindicações, o presidente de Furnas apresentou algumas medidas como a reabertura do escritório da empresa em Belo Horizonte para garantir maior proximidade com os municípios. Clóvis Torres disse, inclusive, que virá à capital mineira entre uma e duas vezes por mês para atender os prefeitos. Além disso, ele solicitou ao presidente da Alago que agende uma reunião com os prefeitos da região para que ele possa apresentar um plano de trabalho mais detalhado com os prazos de cada ação anunciada.

Outro compromisso assumido por Furnas foi a substituição de todas as balsas de transporte, que são de 1960, para garantir maior segurança às pessoas. Além disso, o presidente afirmou que a empresa vai investir na ampliação do projeto de revitalização de nascentes, que é um projeto que já existe e se encontra em andamento. Outra medida anunciada por Clóvis Torres é a criação de projetos junto às associações de municípios para minimizar as perdas financeiras dos trabalhadores nas diversas áreas, como turismo e piscicultura. O desassoreamento do canal de Piumhi de forma definitiva para evitar o alagamento de Capitólio também foi um compromisso anunciado na reunião.

Lideranças reconhecem trabalho e compromisso
de Alexandre Silveira com Minas Gerais

Tanto os presidentes de Furnas e da Eletrobras quanto os prefeitos e deputados federais e estaduais reconheceram, durante seus pronunciamentos na reunião, a capacidade de liderança, o empenho e o incansável trabalho do Alexandre Silveira, não apenas pela causa do Lago de Furnas, mas pelas diversas causas de Minas Gerais.

“Em 20 anos de política nunca vi algo assim. Todos os prefeitos, independente de partido, foram recebidos no Senado. É um trabalho revolucionário esse que o diretor Alexandre Silveira e o senador Rodrigo Pacheco vêm fazendo pelos nossos municípios”, destacou o prefeito de Carmo do Rio Claro, Filipe Carielo.

O presidente da Alago, Djalma Francisco Carvalho, relembrou conquistas antigas, de quando o Alexandre Silveira era diretor do DNIT, como o asfaltamento da BR-491 na região. “De lá para cá, temos sempre mantido contato e nossas demandas são ouvidas e atendidas”, ressaltou o prefeito de Cristais.

Paulo Sérgio Leandro de Oliveira, presidente da Ameg, está confiante nas lideranças de Alexandre Silveira e do senador Rodrigo Pacheco ao lado da bancada mineira: “esse sofrimento é antigo, mas vemos, aqui, hoje, uma possibilidade de melhorar, porque temos grandes nomes na esfera estadual e federal que nos representam”.

O líder da bancada mineira na Câmara, deputado federal Diego Andrade, disse que Alexandre Silveira “tem sido o quarto senador de Minas de tanto que tem trabalhado ao lado do presidente Rodrigo Pacheco”. Segundo o parlamentar, Minas precisa de um senador que consiga recursos e busque a solução para os problemas dos mineiros como Silveira tem feito.

“Alexandre Silveira tem conseguido fazer as vozes de Minas ecoarem em Brasília, fazendo valer a nossa força, a nossa hegemonia mineira”, destacou o deputado estadual Cássio Soares.

Alexandre Silveira e Rodrigo Pacheco receberam uma placa de agradecimento da Ameg pela acolhida aos prefeitos por ocasião das visitas ao Congresso Nacional, atendimento das demandas regionais e compromissos firmados que muitos benefícios trarão a toda a população.

“Gostaria de registrar o que me toca agora. E o que me toca agora é a gratidão. Vivemos um momento histórico para Minas. Depois de tantos anos sem um mineiro na Presidência do Congresso Nacional, temos a liderança do presidente Rodrigo Pacheco, que é da região, uma liderança de equilíbrio, serenidade, espírito público, decência. E temos uma bancada unida e aguerrida. Vamos levar o nome e a força de Minas por todo o Brasil”, concluiu Alexandre Silveira.